Você sabe o que é um balancete contábil?

Não é de hoje que as empresas estão tomando consciência da importância da contabilidade, essa ciência social traz em suas demonstrações a base para a tomada de decisão. No entanto, para que isso seja o suporte que o empreendedor precisa, é primordial que ele conheça esses documentos. Mas afinal, você sabe o que é balancete?

Esse demonstrativo faz parte de uma série de relatórios emitidos pela contabilidade como forma de apresentar os resultados empresariais. Contudo, ele não integra o conjunto de demonstrativos obrigatórios, o que não diminui sua relevância no processo de gestão.

Pensando nisso, apresentamos, ao longo deste artigo, as principais informações sobre o que é balancete, abordando a utilidade e a importância desse relatório para o seu negócio. Confira e tenha boa leitura!

Em que consiste um balancete contábil?

O balancete contábil é um demonstrativo capaz de reunir, em um só documento, os movimentos e saldos de todas as contas de sua organização, incluindo saldos devedores e credores. É essencial lembrarmos que os dados apresentados no balancete respeitam o método das partidas dobradas, isto é, para cada lançamento a crédito, existe um lançamento do mesmo valor a débito.

Sendo assim, o balancete reúne (com os seus respectivos saldos) tanto as contas de resultado quanto as patrimoniais. A representação do saldo é feita segundo sua natureza credora ou devedora, em vez de levar em consideração apenas o grupo a que cada conta pertence.

Como funciona o balancete?

Enquanto demonstrativo auxiliar, voltado a relacionar os saldos de contas remanescentes, o balancete contábil é essencial para verificar, por exemplo, se o método veneziano (ou de partidas dobradas) tem sido corretamente observado pela escrituração de sua empresa.

Nesse sentido, a função do balancete consiste em verificar a igualdade entre a soma de saldos devedores e saldos credores.

Esse demonstrativo pode ser usado para finalidades gerenciais, com seus dados extraídos dos mais atualizados registros contábeis, dando suporte, por exemplo, ao acompanhamento de fluxo de caixa e do orçamento empresarial.

Não se esqueça de que o nível de detalhamento do balancete contábil deve se ajustar à sua finalidade. Logo, caso o demonstrativo se destine a usuários externos, ele deve ser assinado por um contador que seja devidamente habilitado pelo CRC (Conselho Regional de Contabilidade).

Em termos gerais, a periodicidade de disponibilização do balancete contábil é mensal, a fim de que ofereça um bom suporte para que os gestores visualizem a situação da empresa ante os saldos mensurados. Por esse mesmo motivo, é necessário que o documento tanto seja facilmente compreensível quanto apresente utilidade prática. Entretanto, nada impede que seu período de apuração seja outro, se adaptando à necessidade dos gestores.

Outro uso comum do balancete contábil consiste em auxiliar o planejamento fiscal e contribuir para a análise dos tributos gerados.

Qual é a importância do balancete contábil?

Todo e qualquer negócio gera um certo volume de entradas e saídas financeiras, fiscais ou patrimoniais. Por esse motivo, é possível afirmar que o balancete contábil demonstra a saúde de uma organização (do ponto de vista financeiro).

Isso se dá porque esse documento relaciona o conjunto de movimentações diariamente registradas, elencando todos os créditos e débitos, de forma individual e cronológica.

É altamente recomendável acompanhar, periodicamente, o balancete da sua empresa, uma vez que, ao tomar essa iniciativa, você será capaz de monitorar o seu negócio com mais precisão, qualificando e obtendo mais eficiência em seu processo de tomada de decisões.

Qual a diferença entre balancete e balanço patrimonial?

Entre as principais diferenças do balancete e do balanço patrimonial, podemos destacar a sua obrigatoriedade. O balancete não tem obrigatoriedade alguma, servindo exclusivamente para análises internas, ou mesmo para usuários externos, ele não tem cunho oficial, pois em suas informações constam dados voláteis, que podem ser alterados conforme o período do demonstrativo.

Por outro lado, o balanço patrimonial é um documento obrigatório que relata as mutações ocorridas no patrimônio dos empreendimentos. De modo geral, ele é gerado no encerramento do exercício, quer dizer, nele estarão demonstradas as contas dos ativos e passivos, além das contas patrimoniais com os valores correspondentes à data de 31 de dezembro.

Contudo, em alguns casos, o balanço é efetuado de forma trimestral ou semestral, conforme regras específicas. Nas empresas de Lucro Real, é por meio do balanço que são apurados o IRPJ (Imposto de Renda Pessoa Jurídica) e a CSLL (Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido).

Outra diferença que podemos destacar é quanto às contas contábeis utilizadas. O balancete emprega todas as contas, inclusive as de resultados, de forma simplificada. Isso quer dizer que são contas transitórias usadas durante o exercício e encerradas de forma que ficam zeradas no final do período. Já o balanço apresenta as contas de ativo e passivo, além das contas de patrimônio líquido, complementado pelo DRE (Demonstrativo de Resultados do Exercício).

A estrutura do balancete lembra muito o balanço, no entanto ele não tem uma obrigatoriedade quanto à sua escrituração. Em contrapartida, o balanço segue regras regidas pelo Conselho Federal de Contabilidade para a sua escrituração, devendo seguir as normas listadas na NBC (Normas Brasileiras de Contabilidade).

Quais as contas estão presentes no balancete?

De certa forma, para os empresários é imprescindível que as informações mais relevantes sejam compactadas de forma que eles consigam verificar todas as movimentações rapidamente.

Nesse sentido, compreendendo o que é balancete e o que ele demonstra, esse relatório passa a ser uma importante ferramenta de gestão, pois a partir dele é possível analisar as contas e indicadores que serão a base para a formulação de ações estratégicas.

Ao analisar o balancete, o empresário precisa entender o que cada conta significa na sua empresa. Nele estarão elencadas as contas do ativos, que representam os bens e direitos da empresa, entre elas podemos listar o caixa ou equivalente de caixa que representam os valores que a empresa possui e pode desembolsar a qualquer momento. Ainda no ativo, existem as contas do ativo não circulante que representam os imóveis e os investimentos a longo prazo.

Já nas contas do passivo, são apresentadas as movimentações de obrigações que o empreendimento tem com terceiros, por exemplo, impostos e fornecedores a pagar.

Ainda temos as contas do patrimônio líquido, que são compostas pelo capital social, assim como suas reservas. E, por fim, as contas de resultado, que como já mencionamos são as contas transitórias que representam as receitas e despesas do negócio e ao fim do exercício são zeradas, indicando o resultado do exercício (Lucro ou Prejuízo).

Em quais ocasiões o balancete pode ser utilizado?

Entre as diversas ocasiões em que o balancete pode ser utilizado, destacam-se os momentos em que é imprescindível analisar as contas da empresa, por exemplo, durante a reconciliação contábil.

Outra ocasião bastante oportuna para usar o balancete contábil surge quando é preciso verificar a situação patrimonial em relação aos saldos, a fim de compará-los, por exemplo, com o orçamento aprovado para conhecer a evolução das margens de lucro, dos custos ou das despesas recorrentes.

Se você encontra alguma dificuldade na elaboração do balancete contábil da sua empresa, não se preocupe: há excelentes serviços online que podem ajudá-lo a não errar. Acompanhar o balancete de forma periódica é essencial para identificar possíveis erros e corrigi-los de modo imediato.

Agora que você sabe o que é balancete, assine nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos diretamente no seu e-mail!