Saiba o que muda no Simples Nacional em 2018

Para o ano que vem, teremos uma série de mudanças previstas para o Simples Nacional, que entrarão em vigor a partir do dia 1º de janeiro de 2018.
São mudanças como alterações nos valores limites para fazer parte do modelo e a criação de uma faixa de transição para sair do Simples e entrar em outra tributação. Essas mudanças vieram para corrigir um empecilho de crescimento das microempresas e empresas de pequeno porte, que não tinham um regime transitório.
Foram estabelecidas regras de transição para a empresa que em 2017 faturar mais de R$ 3,6 milhões até R$ 4,8 milhões. Ela poderá continuar no regime Simples Nacional em 2018, mas com algumas condições especiais e impedida de recolher o ICMS e o ISS.
Maior receita bruta
Uma das grandes mudanças é o aumento do limite de faturamento. A partir de 2018, o teto de faturamento para o Simples Nacional aumentará para até R$4,8 milhões por ano. Mas, como falamos acima, com uma ressalva. Quando o faturamento for maior do que R$3,6 milhões nos últimos 12 meses, ICMS e ISS serão cobrados em separado, com todas as obrigações acessórias de uma empresa normal.
Novas alíquotas
Além do aumento do faturamento, também temos mudanças nas alíquotas de impostos. Ela permanece a mesma nos anexos de comércio e indústria, e também nos de serviço III e IV.
Todas as atividades do SN terão alíquota progressiva quando o faturamento ultrapassar R$180 mil no acumulado dos últimos 12 meses.
E o que melhora com isso? Teremos uma cobrança mais justa, já que a alíquota será proporcional ao faturamento acumulado. Até agora, empresas com faturamentos acumulado diferentes, mas mesmo faturamento no mês, pagariam a mesma coisa. A partir de agora, o acumulado será levado em conta. Portanto, dependendo da sua movimentação, a tributação do seu negócio poderá ser diferente de um mês para o outro.
Folha de pagamento
No Novo Simples Nacional, teremos uma nova relação entre folha de pagamento e faturamento, ambos relativos aos últimos 12 meses, assim como a alíquota. A partir de 2018, se a folha de pagamento for maior ou igual a 28% do faturamento, sua empresa será tributada no novo anexo III. Mas se esse valor for menor do que 28%, você estará classificado no novo anexo V.
Receita bruta na exportação
Exportação, licitações e outras atividades relacionadas a importação e exportação, as empresas de logística internacional que forem contratadas por empresas do Simples Nacional estão autorizadas a realizar suas atividades de forma simplificada e por meio eletrônico, o que impactará diretamente nos custos do serviço aduaneiro.
Novas atividades
A partir de 2018, micro e pequenos produtores e atacadistas de bebidas alcoólicas (cervejarias, vinícolas, licores e destilarias) também poderão fazer parte do Simples Nacional. A única condição é estar inscrito no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Um grande benefício para os empreendedores desses ramos.
Maior fiscalização
O novo Simples autoriza e integra a troca de informações entre a Fazenda Pública da União (Receita Federal) e a dos Estados (Receita Estadual) e Municípios (Prefeituras e DF). Isso fará com que as fiscalizações sejam mais rápidas e práticas.
Portanto, nossa dica é que você fique atento e mantenha sempre tudo em dia. Oriente bem sua equipe para que as operações na conta corrente da empresa e as vendas feitas pelos cartões de crédito, por exemplo, sejam bem controladas.
Agora que você já sabe tudo sobre as novas mudanças no Simples Nacional para 2018, fique atento e converse com seu contador. Informe-se como sua empresa será afetada pelas novas regras e tome as decisões estratégias da melhor forma possível. O Novo Simples poderá ajudar você a reduzir os gastos com alíquotas e impulsionar seu crescimento.
Ainda tem alguma dúvida? Entre em contato com a equipe da Conta Ágil. Nossos profissionais são altamente especializados e podem dar orientações certeiras sobre o seu posicionamento frente a essas mudanças.
O que é o Simples Nacional?
O Simples Nacional é um regime tributário simplificado para apuração e recolhimento de impostos voltado exclusivamente a micro e pequenas empresas. As regras desse formato têm condições vantajosas para negócios de pequeno porte.
A principal característica do Simples é o pagamento de todos os impostos em uma guia única mensal, chamada de DAS, o Documento de Arrecadação Simplificada. Esse formato, quando bem utilizado, pode trazer uma economia de até 40% da carga tributária para o empresário.
FONTES:
https://www.jornalcontabil.com.br/5-importantes-mudancas-no-simples-nacional-para-2018/
https://www.jornalcontabil.com.br/5-importantes-mudancas-no-simples-nacional-para-2018/
http://www.contabeis.com.br/noticias/35965/4-principais-mudancas-no-simples-nacional-para-2018/