Lucros ou Dividendos? Conheça mais sobre o pró-Labore, as condições da retirada e as diferenças em relação a distribuição de dividendos.

, , , ,

Primeiro vamos entender o que é pró-labore: O sócio que trabalha pela empresa (sócio administrador) tem direito a um salário, uma remuneração por este serviço. É através dele que o empresário pode, por exemplo, contribuir para a previdência.

A lei não determina um valor específico, cabendo aos sócios determinarem o valor do pró-labore, bem como sua redução ou majoração (Art.152 da Lei 6.404/76). A única regra quanto aos valores é que o pró-labore não pode ser inferior ao valor do salário mínimo vigente.

Distribuição de Lucros ou Dividendos

Depois de você ter pago todas as despesas da sua empresa, impostos, pró-labore, o que sobrar é considerado “lucro” e você pode transferir para sua conta de pessoa física, sem a incidência de impostos – esta é a distribuição dos lucros. Ela é calculada anualmente, no fechamento do balanço e posteriormente distribuída aos sócios, de acordo com a participação deles no capital social ou algum outro acordo entre as partes.

É obrigatória a retirada do Pró-Labore?
Sim, é obrigatória – o sócio administrador ou cotista, titular de empresa individual ou EIRELI que trabalham na sociedade é classificado como “contribuinte obrigatório” da Previdência Social. (Art.12 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991) e sobre esta remuneração deve ser recolhido a contribuição previdenciária.

Como deve ser realizado o pagamento?
A forma mais segura de se retirar o pró labore é através de transferência bancária da conta corrente da empresa para a conta corrente do sócio. Não é aconselhado realizar uma única transferência de pró-labore e a distribuição antecipada de lucros – sempre faça duas transferências separadas.

Posso apenas retirar Distribuição de Lucros e não retirar Pró-labore?
Quando a empresa está no início da vida, a falta de estabilidade financeira muitas vezes gera essa dúvida: E, em resposta simples: não é permitido pela lei realizar apenas a distribuição antecipada de lucros.
Em caso de retirada apenas da distribuição dos lucros, todo o valor retirado como lucro será considerado pró-labore, e se calcula o INSS para recolhimento da GPS, nos valores baixo explicados. (Decreto 3.048 de 1999 art.201 e IN 971 nº 13/2009).

Quando retirar Pró-Labore?
Ele deve ser retirado conforme definição dos sócios e/ou contrato social.
A legislação não estabelece a periodicidade de retirada, mas não pode existir, nenhum outro pagamento ou benefício deverá ser pago ao sócio ou titular da empresa caso não for retirado o pró-labore em um mês.
O pró-labore só deve ser pago a partir do momento em que há faturamento na empresa. Se você abriu a empresa em janeiro, mas só passou a faturar em junho, o pagamento do pró-labore só deve acontecer a partir de junho apenas (COSIT 120 de 17/08/2016).

Impostos sobre o Pró-Labore
Cadastrando o pró-labore, o contador deve gerar uma guia GPS (Guia de Previdência Social), que, para os clientes da Contabilizei ficará disponível na plataforma todos os meses – e é através da GPS que você irá pagar o valor referente à sua contribuição ao INSS.
Os valores são os seguintes:

– Para empresas no Simples Nacional:
· Custo para a Empresa: Não existe contribuição patronal, ou seja, sem custo para empresa.
· Custo para o Sócio: Será retido na fonte ou deduzido do valor bruto 11% de INSS e o IR de acordo com a tabela progressiva da Receita Federal.
OBS: Empresas com atividades enquadradas no Anexo IV do Simples Nacional, estão obrigadas ao recolhimento do INSS patronal (20%) através da GPS em conjunto com a parte descontado (11% no caso de sócios). Este entendimento baseia-se na Lei Complementar n° 147/14 para as empresas enquadradas no anexo IV da LC n° 123/06 que estão obrigadas ao recolhimento da contribuição previdenciária patronal previsto no artigo 22 da Lei n° 8.212/91.

– Para empresas do Lucro Presumido:
· Custo para a Empresa: Encargos Sociais de 20% sobre o valor do Pró-Labore.
· Custo para o Sócio: Será retido na fonte ou deduzido do valor bruto 11% de INSS e o IR de acordo com a tabela progressiva da Receita Federal.
OBS: Pró-labores acima de R$ 1.903,98 possuem desconto de IR na fonte, aumentando o custo mensal. Você pode conferir quais são as faixas na Tabela do IR.

Plano de Saúde pago pela empresa aos sócios é considerado salário contribuição?
De certo modo, sim. Não é proibida a contratação de plano de saúde por empresa para os sócios, mas este valor deverá integrar a base de cálculo do INSS do pró-Labore, pois ele será considerado salário contribuição (Art.214, § 9º, INCISO XVI do Decreto 3.048/1999). A melhor opção para os casos em que existir a contratação de plano de saúde para os sócios pela empresa é que seja realizado o desconto integral no pagamento do pró-labore.

Posso antecipar Lucros ou Dividendos e retirar mensalmente?
A Distribuição de Lucros deve ser apurada e retirada anualmente; porém, é possível fazer a antecipação de lucros ou dividendos mensalmente, trimestralmente, ou conforme definição dos sócios no contrato social.

Quando o sócio quer antecipar este lucro, deve-se calcular lucro da empresa até o mês que está sendo realizada a antecipação e transferir da conta corrente da empresa para a conta corrente do sócio, proporcional a participação no capital social.
A distribuição de lucros é isenta de imposto de renda quando for comprovada através da contabilidade regular, ou seja, com toda movimentação financeira contabilizada. (Lei 9.249/95 – Art.10)

Reforçando: esse valor você poderá transferir diretamente para a sua conta de Pessoa Física, lembrando apenas que também deve fazer o registro dessa movimentação mensalmente como distribuição/antecipação de lucros.

Quando você retira dinheiro como distribuição de lucros, não precisa pagar nenhum imposto sobre ele pela empresa – porque, afinal de contas, você já pagou todas as despesas e impostos da empresa, certo?
Mas para poder fazer a antecipação dos lucros sua empresa deve estar com todos os registros completos, ou seja, com a movimentação financeira, custos e despesas, receitas e qualquer movimentação realizada pela empresa, caso contrário a distribuição do lucro será tributada. Além disso, você necessita ter pago todas as obrigações da sua empresa, inclusive o pró-Labore, e todos os impostos, estar sem nenhum débito tributário.
Por isso é importante saber que você só pode distribuir lucro após ter feito o cadastro e pagamento do pró-labore, pois o pagamento da guia GPS é considerada uma obrigação!

Conclusão
A retirada do pró-labore é obrigatória, mas não tem um valor definido – existindo apenas o piso de um salário mínimo nacional. O sócio-administrador deve retirá-lo independentemente da distribuição dos lucros, que é um valor de retirada relativo ao capital social, enquanto o pró labore é a remuneração pelo trabalho mensal. Manter o controle destas retiradas em dia é muito importante não só para a saúde da sua empresa, mas do seu CPF também!

Veja 3 dicas práticas para a redução de custos nas empresas!

, ,

A redução de custos nas empresas se tornou algo essencial no mercado atual. Afinal, é comum acompanharmos notícias de pequenas, médias e grandes empresas que “quebraram” porque não souberam utilizar seus recursos financeiros de forma assertiva.

Porém, a exigência por serviços mais qualificados também é algo em voga. Por isso, encontrar alternativas inteligentes para manter a máquina funcionando em excelência sem onerar o caixa da empresa é, hoje, um dos grandes objetivos de todo empreendedor.

Para ajudar nessa empreitada, apresentaremos, neste artigo, 3 dicas para redução de custos nas empresas. Continue lendo e confira como melhorar a saúde financeira do seu negócio sem comprometer a qualidade dos serviços prestados. Boa leitura!

1. Invista em soluções virtuais

Em plena era digital, utilizar recursos tecnológicos é essencial para as empresas que desejam diminuir os seus gastos ao mesmo tempo em que qualificam seus serviços. As chamadas “soluções virtuais” mostram como a tecnologia pode fazer a diferença dentro de um negócio.

Por exemplo, com uma plataforma de contabilidade online, você consegue resolver assuntos variados de qualquer lugar e a qualquer momento, necessitando apenas de um equipamento (computador, tablet etc.) e de acesso à internet.

Essa estrutura online faz com que o custo/benefício para qualquer empresário seja bastante atraente. Além disso, por ser um modelo online, há muita facilidade e rapidez no atendimento dos usuários.

2. Renegocie contratos vigentes

Outra ótima maneira de praticar redução de custos nas empresas com inteligência é analisando e renegociando contratos. Primeiro, é essencial estudar o histórico de gastos por setor ou atividade da organização. Assim, você consegue identificar algumas situações que não estão sendo vantajosas para o negócio.

Ao avaliar o gasto com cada contrato, você tem uma visão mais clara sobre os produtos e serviços que de fato usufrui, e se a continuidade de alguns é realmente necessária — muitos itens podem estar sendo subutilizados, mas causando um impacto negativo no caixa da empresa.

Nesse sentido, você deve rever as condições dos contratos considerando os seguintes pontos:

  • parcelas negociadas;
  • valores praticados;
  • taxas de juros.

Além disso, não hesite em renegociar acordos com fornecedores. Embora o serviço seja bem executado, as condições estabelecidas podem não ser as mais favoráveis no momento — por isso, é importante fechar parcerias com fornecedores que apresentem flexibilidade de negociação.

3. Aposte em serviços compartilhados

Hoje, não é mais preciso manter uma superestrutura para oferecer um serviço diferenciado. Graças à internet e ao acesso fácil à informação, é possível pesquisar e entender o perfil do cliente de cada empresa.

Ou seja, o planejamento pode ser feito com o objetivo de suprir as necessidades do cliente, sem desperdícios ou investimentos estratosféricos. O coworking, por exemplo, é uma ótima maneira de criar uma estrutura sem muitos gastos.

O coworking, basicamente, trata-se do compartilhamento de escritório, no qual cada empresa utiliza um espaço suficiente para desenvolver suas atividades. Além disso, existem várias outras opções de negócios colaborativos, que vão desde serviços de café da manhã coletivo até viagens corporativas para uma comitiva inteira.

Enfim, essas foram nossas dicas essenciais para quem deseja ser bem-sucedido na redução de custos nas empresas. Com a alta concorrência no mercado, a contenção de gastos passa a ser um diferencial, pois permite que a instituição desenvolva um bom trabalho de forma segura e inteligente, sem pôr em risco a continuidade do negócio. Assim, analise as informações apresentadas e melhore agora o rendimento da sua empresa!

Achou o artigo interessante? Então, que tal compartilhá-lo nas suas redes sociais?