Contabilidade Online significa fazer a contabilidade de empresas, utilizando como base a tecnologia para automatizar serviços contábeis, através da internet.

Entenda os custos de sua folha de pagamento e como gerenciá-la

Funcionários talentosos, motivados e produtivos são fundamentais para o sucesso de qualquer empresa, daí a importância da folha de pagamento. Saber calculá-la e gerenciá-la corretamente também evita que o negócio perca dinheiro com juros e multas.

Uma folha de pagamento bem administrada minimiza possibilidades de pagamentos desnecessários e ajuda a manter seus funcionários motivados, pois não haverá dúvidas a respeito da relação existente entre eles e sua empresa.

Mas, você sabe o que é folha de pagamento e a melhor forma de administrá-la? Vamos te ensinar neste artigo.

O que é folha de pagamento?

É a lista das remunerações pagas aos funcionários da empresa. É importante usar a palavra “remunerações” em vez de “salários” porque, muitas vezes, os salários líquidos correspondem a menos da metade da folha. Encargos trabalhistas como FGTS, INSS, vale-transporte e outros podem chegar a 60% do custo.

Como calcular a folha de pagamento?

O cálculo preciso da folha exige conhecimentos de rotinas de departamento pessoal e legislação trabalhista. O regime tributário adotado pela empresa também faz diferença. Por isso, pode ser útil contar com ajuda especializada para essa tarefa. No entanto, existem algumas noções básicas que todos podemos dominar.

Os encargos básicos que devem constar na folha, pagos pela empresa, são:

  • 8% de FGTS;
  • salário de férias com um terço a mais (quem recebe R$ 1.000 por mês tem R$ 1.333,33 de férias);
  • 13º salário.

E existem ainda dois encargos deduzidos do salário do trabalhador:

  • 8% a 11% de INSS;
  • até 6% do salário para vale-transporte (se for necessário mais do que isso, a diferença é custeada pela empresa).

Informação importante: esses encargos continuam sendo obrigatórios mesmo após a reforma trabalhista.

Quais as melhores dicas para gerenciar a folha?

Alguns processos gerenciais ajudam na administração da folha. Confira a seguir.

Classificar funcionários por categorias

Cada profissão é regida pela respectiva convenção coletiva e, quanto maior for a empresa, maior será o número de sindicatos envolvidos. Agrupar os colaboradores em categorias vai ajudar a seguir as normas.

Manter contato estreito com a contabilidade

A contabilidade da empresa deve estar em dia para garantir que haverá dinheiro em caixa para cumprir com todas as obrigações, inclusive o pagamento de férias, 13º e eventuais licenças-maternidade.

Manter um livro de ponto

É preciso manter um registro atualizado de faltas, horas extras, trabalho noturno e outros itens que afetam a folha. Isso também ajuda a empresa a não ser “surpreendida” quando um funcionário tira férias e a sua ausência prejudica o dia a dia do negócio.

Contar com a tecnologia

Ferramentas online de gestão facilitam e muito o trabalho com a folha e podem disparar lembretes de modo a fazer a equipe se planejar melhor para o pagamento das obrigações.

Quais problemas posso ter com a folha de pagamento?

A negligência ou a falta de cuidado com a folha podem gerar vários problemas para a empresa. O primeiro deles é o prejuízo com juros e multas quando o negócio não tem dinheiro em caixa para pagar obrigações, como FGTS, em dia. Além disso, atrasar o pagamento dos funcionários deixa sua equipe desmotivada e pode levar os melhores talentos a saírem da empresa.

Como você viu neste artigo, gerenciar uma folha de pagamento é muito importante e requer bastante trabalho. Por isso, você também poderá achar útil nosso texto Conheça 7 vantagens da contabilidade online. Boa leitura!

 

Contabilidade online: saiba como funciona esse serviço

O serviço contábil é fundamental em qualquer negócio. Isso porque, para sobreviver, uma empresa precisa ter lucro e pagar impostos — e é a fim de assegurar que todo esse processo corra bem que existe a contabilidade. Mas você sabia que é possível facilitar ainda mais o dia a dia da organização por meio da contabilidade online?

Neste texto, abordaremos tudo sobre o funcionamento dessa solução. Primeiramente, vamos falar da importância da contabilidade para as empresas e, depois, sobre o que é e como opera a contabilidade online. Em seguida, explicaremos as principais diferenças em relação à tradicional — como a agilidade e a facilidade — e, por fim, por que esse serviço é vantajoso e o que deve ser observado na hora de contratá-lo. Acompanhe!

O que é contabilidade?

A contabilidade possibilita avaliar se, em determinado período, o negócio obteve resultado positivo (lucro) ou resultado negativo (prejuízo), além de apresentar seus direitos (ativos) e obrigações (passivos).

A contabilidade é responsável por:

  • métodos para registrar transações (como ordens de compra e notas fiscais);
  • registrar as compras e vendas, traduzindo essas informações em dados confiáveis;
  • traduzir os registros financeiros em padrões adequados para a tomada de decisão;
  • conduzir auditorias internas;
  • oportunizar dados confiáveis para auditorias;
  • com base nas informações obtidas, identificar qual tributação é mais adequada ao seu negócio.

O que é e como funciona a contabilidade online?

A contabilidade online é um serviço localizado na nuvem, ou seja, em servidores externos. Isso significa que é necessária uma conexão com a internet para usá-la. E, também, que ela pode ser acessada de qualquer lugar, inclusive de um tablet ou smartphone. Assim, é possível acessar o sistema de onde você estiver, até mesmo da sala de espera do dentista ou do saguão do aeroporto. Seus serviços incluem:

  • auxílio em todas as etapas de abertura da empresa;
  • apuração dos impostos e identificação do que a empresa precisa pagar;
  • assistência na composição de contratos e obrigações societárias;
  • organização do processo de pagamento de salário dos funcionários e retirada do pró-labore.

Adotar uma contabilidade online (em vez de usar um escritório tradicional) faz grande diferença de uma perspectiva prática. A seguir, confira algumas vantagens dessa solução.

Quais as diferenças entre o serviço online e o tradicional?

Os objetivos da contabilidade permanecem, mas os métodos online buscam alcançá-los de forma mais eficiente. Veja as diferenças entre a online e a tradicional!

Mais fácil de fazer

Os serviços de contabilidade online são fáceis de aprender e usar na operação do dia a dia da organização. A empresa assinante do serviço pode atualizar as contas com poucos envios de dados ao sistema. Informações de extratos bancários e recibos podem ser carregadas automaticamente e processadas nas categorias adequadas.

Segurança

As informações contábeis da empresa ficam protegidas por um sofisticado sistema de segurança online. Além disso, como está tudo concentrado em único lugar, é mais difícil alguma informação se perder ou vazar. Quando está tudo em papel, os documentos importantes podem se perder.

Um funcionário pode esquecê-lo em uma gaveta, por exemplo. Ou a única pessoa que sabe ao certo onde o documento se localiza pode estar de férias no momento em que a empresa precisa dele. Com a contabilidade online, todas as informações importantes ficam disponíveis 24 horas por dia e na mesma plataforma.

Consistência e precisão

Uma das atividades mais importantes da contabilidade em qualquer empresa é fazer os números “baterem”, isto é, as informações como valores, CNPJ, endereço, etc. devem ser consistentes com a realidade e coerentes entre si. A organização trazida pela contabilidade online ajuda a empresa a reduzir o erro humano.

É mais fácil produzir documentos consistentes se está tudo organizado na mesma plataforma, reduzindo, também, o risco de erros de digitação.

Custo

Um dos grandes benefícios da contabilidade online é o custo: especialmente em pequenas e médias empresas, o gasto com contabilidade é alto em relação à receita. O serviço online é mais barato, seu custo é mais fácil de controlar e, por ser muito fácil de usar, o investimento para treinar os funcionários é pequeno.

As empresas online normalmente vendem assinaturas, de modo que seu negócio paga apenas um pouco por mês.

Por que a contabilidade online é vantajosa?

Você já viu várias diferenças em relação à contabilidade tradicional que tornam a online interessante, mas existem algumas vantagens desse serviço especialmente marcantes. Entenda!

Agilidade

A contabilidade online oferece facilidade e rapidez no atendimento ao cliente. Enquanto escritórios tradicionais são lentos para responder a dúvidas e entregar tarefas, a solução online é focada em oferecer rápido atendimento.

Disponibilidade

Como a solução é 100% online, o administrador pode acessar e acompanhar as informações da empresa a qualquer momento e em qualquer lugar, usando computador, notebook ou smartphone. Dá para conferir um balanço entre uma reunião e outra ou durante um almoço de negócios, por exemplo.

Produtividade

Trabalhar com papelada é tedioso, cansativo e pode gerar distrações e erros. Com a contabilidade online, seus funcionários gastam menos tempo com a burocracia contábil e mais tempo com a atividade-fim da empresa. Além disso, todo mundo é poupado dos deslocamentos ao escritório de contabilidade, bem como do entra e sai de documentos de papel.

O que observar na hora de contratar uma empresa da área?

Na hora de contratar, é importante entender quais os serviços que a empresa oferece e se eles vão ajudar o dia a dia do seu negócio. Pergunte sobre a disponibilidade e horários de suporte (inclusive para tirar dúvidas) e sobre os diferentes preços e planos. Finalmente, verifique se a empresa goza de boa reputação no mercado e como ela atende aos clientes já existentes.

Buscar uma empresa de qualidade é fundamental para garantir uma boa prestação de serviços. A ContaÁgil nasceu para facilitar e desburocratizar as rotinas contábeis das empresas. Com ferramentas tecnológicas e expertise no mercado contábil, entrega serviços contábeis confiáveis a preço justo.

Se este artigo foi útil para você e você quer entender como a contabilidade online pode contribuir com sua empresa na prática, entre agora em contato conosco e comece a mudar o futuro do seu negócio!

O que é pró-labore? Entenda agora como ele funciona!

O valor de retirada de pró-labore é assunto em pauta entre os sócios de uma empresa que buscam a devida remuneração perante o negócio. Contudo, a maioria dos empreendedores não sabe o que é pró-labore.
O tema pode ser polêmico e gerar muitas dúvidas, uma vez que existem várias informações divergentes na Internet a respeito da obrigatoriedade, da definição de valores, da diferença entre pró-labore e divisão de lucros, dentre outras particularidades.
Devido à importância do tema relacionado a esse tópico, nós decidimos elaborar um conteúdo com a intenção de esclarecer as principais dúvidas dos empresários sobre pró-labore. Acompanhe e confira!
O que é pró-labore?
O pró-labore é o provento que os sócios recebem pelo trabalho desenvolvido dentro da empresa. Todos os membros da sociedade que exercem alguma função, então, têm direito ao pró-labore. Porém, para fazer valer seu direito, é essencial que esteja circunstanciada, no contrato social da empresa, a imagem do administrador, que pode ser formada por uma ou mais pessoas.
Ao explicar o que é pró-labore, muitos podem achar que essa remuneração é um tipo de salário entregue aos sócios, certo? Tecnicamente, sim! Porém, é preciso tomar cuidado ao comparar essa remuneração com salários de funcionários contratados conforme as leis trabalhistas.
Qual a diferença entre pró-labore e salário?
Como já foi mencionado, os sócios que não exercem funções dentro da empresa não devem receber o pró-labore. Contudo, aqueles que têm direito à remuneração não têm benefícios trabalhistas, como férias, FGTS, décimo terceiro salário, dentre outros. Logo, o provento dos sócios-administradores não inclui esses valores.
Em virtude disso e de outros aspectos, nós não podemos dizer que salário e pró-labore são a mesma coisa, certo?
Qual é a obrigatoriedade do pró-labore?
Agora que você já sabe o que é pró-labore, é necessário explicar qual a exigência do governo sobre essa questão. Primeiramente, devemos deixar claro que a remuneração dos sócios-administradores é obrigatória.
Contudo, essa obrigatoriedade só existe mediante o seu primeiro faturamento (receita). Os sócios que estão no contrato social precisam pagar a previdência na condição de contribuintes obrigatórios. Portanto, essas questões precisam ser registradas. Caso contrário, a empresa pode ser questionada pela Receita Federal e, assim, você pode ter que pagar a quantia correta do INSS.
Como definir a quantia para pagamento dos sócios?
Dentro da legislação brasileira, o pró-labore é diferente do salário, portanto, não há definições sobre valores para retirada da remuneração dos sócios-administradores. Contudo, uma boa dica para os empreendedores que precisam estipular o valor de retirada do pró-labore é se imaginar empregando alguém.
Quanto você pagaria para um funcionário que realizasse a função de administrador do seu negócio? Essa pergunta pode ser fundamental para chegar a um valor justo.
Abaixo, segue um passo a passo para ajudá-lo a definir o valor de pró-labore:
defina as atividades que o sócio desempenhará na empresa;
faça uma pesquisa de mercado para avaliar a média salarial do profissional que realiza as mesmas atividades em outras sociedades;
defina o pró-labore baseado no salário do mercado;
pense no valor mensalmente, como um tipo de “salário”;
formalize o acordo de pró-labore para que tenha validade jurídica no direito trabalhista. Você pode fazer isso por meio do contrato social, criando cláusulas específicas e registrando na junta comercial do seu estado.
Lembramos que, para manter o bom controle em relação ao pagamento do pró-labore, é recomendável que a empresa faça uma transferência única para a conta corrente do sócio-administrador. É fundamental que o valor da remuneração não se misture ao que se refere à distribuição de lucro, justamente para não infringir as leis e, assim, evitar problemas com o Fisco.
E aí, curtiu nosso conteúdo? Conseguimos esclarecer todas as suas dúvidas sobre o que é pró-labore? Caso tenha interesse pelo tema, não deixe de assinar nossa newsletter para receber, na íntegra, mais informações sobre o universo contábil.

3 dicas para ter sucesso na gestão de pequenas empresas

Como empresário, você conhece os fundamentos básicos para alcançar uma boa gestão de pequenas empresas? Para que um negócio prospere, é necessário que o empreendedor atente para alguns aspectos fundamentais que sucedem uma administração de sucesso, como organização, planejamento e conhecimento.

No entanto, é muito comum vermos gestores cometendo erros triviais na administração de um negócio, algo que deve ser observado com muita atenção, visto que equívocos relativos à gestão de pequenas empresas podem causar graves danos (ou até mesmo levar uma empresa à falência).

Pensando nisso, elaboramos este post, no qual você vai ter acesso a 3 valiosas dicas para potencializar a sua percepção sobre administração de empresas de pequeno porte — ou seja, exatamente o que você precisa saber para alcançar ótimos resultados. Ficou interessado(a)? Então, acompanhe!

1. Estabeleça metas

As tarefas que são exercidas pelo gestor oscilam conforme o tamanho da empresa e a demanda. Contudo, para elaborar um planejamento eficiente para o seu tipo de negócio de forma consciente, é preciso ponderar tópicos relevantes, como objetivos e metas.

Definir o propósito é o passo mais importante para aperfeiçoar a gestão organizacional. Então, concentre a sua energia em uma única direção. Quanto mais claro for o objetivo, mais fácil se torna a missão do empreendedor. Para isso, defina metas mensuráveis que o negócio seja capaz de alcançar em um prazo definido, e que levem ao objetivo proposto.

2. Organize as finanças

O dever principal do empreendedor é estruturar o setor mais importante do seu negócio: o financeiro. Para isso, é preciso que alguns mecanismos sejam colocados em prática. São eles:

  • reservar dinheiro na conta da empresa;
  • determinar os valores de pró-labore;
  • utilizar o fluxo de caixa para controlar receitas e despesas.

A finalidade de cada ação é tornar mais fácil o controle sobre os princípios básicos da área financeira de uma empresa. Por outro lado, existem hábitos administrativos que são extremamente nocivos para a gestão de pequenas empresas, que ferem e danificam a sua evolução, como:

  • pagar dívidas pessoais com o dinheiro da empresa;
  • utilizar o patrimônio pessoal para cobrir rombos da companhia;
  • misturar as contas domésticas com da empresa.

3. Busque assessoria contábil

Contar com o auxílio de uma empresa de contabilidade online é uma excelente alternativa para o empresário na gestão de pequenos negócios. Isso porque disponibiliza honorários mais acessíveis, devido à tecnologia empregada, além de profissionais capacitados que podem colaborar em diversas rotinas, tais como:

  • declarações fiscais;
  • folha de pagamento;
  • pró-labore;
  • planejamento tributário;
  • elaboração de relatórios contábeis.

E esses são apenas alguns dos benefícios que uma empresa especializada na área contábil pode oferecer para os empresários que têm dificuldades em administrar a parte contábil de uma empresa.

Com experiência em seu nicho de operação, uma empresa confiável nesse ramo oferece serviços qualificados e eficazes ao empresário, incluindo orientações para melhorar a atuação no segmento de atividade (seja ele qual for) e assessoria personalizada nos inúmeros setores em que seu negócio pode e precisa crescer.

Gostou dessas dicas sobre gestão de pequenas empresas? Se deseja aprimorar seus conhecimentos sobre gestão financeira, siga conosco e leia agora o nosso post sobre fluxo de caixa e aprenda como ter controle sobre as finanças da sua empresa com essa importante ferramenta administrativa!

Carga tributária: como reduzir os impostos da PME

Como a carga tributária no Brasil é muito elevada, empreendedores e administradores enfrentam constantes desafios para manter o negócio funcionando e fazê-lo crescer. É preciso entender a complexa legislação tributária, reservar dinheiro em caixa para cumprir as obrigações e incluir os impostos no planejamento.

Uma boa gestão financeira pode ajudar seu negócio a enfrentar essa carga tributária, mantendo o pagamento de tributos em dia. Ela pode até reduzir legalmente a quantidade de impostos que sua empresa precisa pagar, a chamada “elisão fiscal”. Neste artigo você vai aprender mais sobre o que você pode fazer para sua pequena ou média empresa pagar menos taxas.

Faça um diagnóstico da empresa

Para um médico tomar decisões acertadas sobre a saúde do paciente, ele precisa fazer exames e ter em mãos as informações adequadas. Com a carga tributária da empresa é a mesma coisa. A contabilidade deve estar em dia, de forma que a gestão saiba com precisão a receita, o lucro, o fluxo de caixa, os passivos e seus prazos etc. Isso vai orientar todas as decisões contábeis, incluindo a melhor forma de pagar menos impostos.

Escolha o regime tributário adequado

As pequenas e médias empresas têm basicamente três opções na hora de pagar impostos: aderir ao Simples Nacional, ao Lucro Presumido e o Lucro Real.

O Simples Nacional é uma opção atraente para muitos negócios, por unificar oito impostos (CPP, CSLL, COFINS, ICMS, IPI, IRPJ, ISS E PIS/PASEP). Porém, ele nem sempre é o mais barato. Isso acontece porque as alíquotas são diferentes para cada tipo de atividade econômica, conforme o CNAE da empresa. Daí a importância de consultar uma empresa de contabilidade antes de escolher o regime tributário.

A escolha entre Lucro Presumido e Lucro Real vai depender da contabilidade da empresa. O Lucro Presumido, naturalmente, costuma ser mais vantajoso quando as margens de lucro são grandes.

Procure oportunidades de incentivos fiscais

Um dos efeitos colaterais dos altos impostos é que autoridades estaduais ou municipais oferecem incentivos fiscais para certas empresas ou indústrias se instalarem em suas regiões. Explore oportunidades e considere instalar filiais ou mudar sua empresa de endereço se a isenção for vantajosa.

Faça uma agenda para administrar a carga tributária

Uma das dicas mais importantes para pagar menos impostos é pagá-los em dia, evitando juros e multas. Atrasos nos pagamentos são considerados sonegação fiscal e podem levar um juiz a determinar penhora e leilão de bens, bloqueio de contas bancárias e outros prejuízos. Para evitar esse problema, produza um calendário para assegurar que a empresa terá dinheiro em caixa para fazer os pagamentos em dia.

Conte com os serviços de uma boa empresa de contabilidade

A legislação tributária no Brasil não apenas é grande e complexa, como está em constante mudança. O governo pode alterar alíquotas ou lançar novos programas de refinanciamento, oferecendo oportunidades de abater juros e multas.

Tendo uma boa empresa de contabilidade como parceira, seu negócio pode ser orientado a mudar de regime tributário ou a aderir a um desses programas. O importante é entender que a contabilidade tributária faz parte da administração da empresa e, portanto, exige manutenção constante.

Com medidas simples, mas seguidas de forma séria, toda empresa pode reduzir sua carga tributária e evitar pagar mais impostos do que precisa. Basta estudar um pouco e pôr as mãos à obra.

Esperamos que este artigo tenha sido útil para você entender como uma empresa pode reduzir a carga tributária de forma legal e inteligente. Agora, complemente esse aprendizado lendo nosso artigo sobre a importância de uma boa contabilidade!

Conheça 7 vantagens da contabilidade online

O serviço de contabilidade online já está se consolidando no Brasil e se apresenta como uma ótima opção aos escritórios tradicionais de serviços contábeis. Mas você deve estar se perguntando: será que esse é um serviço adequado para o meu negócio? Antes de torcer o nariz ou duvidar da facilidade desse serviço, acompanhe o nosso raciocínio.

Muitos segmentos estão passando pela grande transformação ancorada na Internet. O consumo de música e filmes tem um novo formato, as opções de estadia em viagens foram muito ampliadas com as plataformas de booking online e os serviços de transporte de passageiros, a cada dia, oferecem novidades.

Esse movimento tecnológico deve, cada vez mais, ampliar o seu alcance e chegar também às pequenas e médias empresas, diminuindo os custos dessas organizações. Aliando praticidade, rapidez e segurança, a utilização da contabilidade online já é uma realidade implantada em algumas empresas.

Hoje, vamos demonstrar que sim, as empresas só têm a ganhar adotando a contabilidade online. Confira, agora, os benefícios adquiridos com o uso desse serviço.

1. Melhoria no acesso aos dados financeiros e contábeis da empresa

Um login e senha é disponibilizado para que você possa realizar o acesso a qualquer hora e de qualquer lugar. A integração multiplataforma oferece a possibilidade de que usuário faça o acesso por meio de qualquer dispositivo eletrônico, permitindo acompanhar a evolução dos dados financeiros e contábeis da empresa quando quiser.

Por exemplo, basta uma simples configuração para que você possa acompanhar tudo o que acontece na sua empresa pelo seu smartphone, permitindo que você saiba qual é o andamento das finanças da empresa sem a necessidade de se deslocar até o escritório.

2. Rapidez e facilidade ao solicitar suporte técnico

Se você está acostumado a utilizar os softwares tradicionais, muito provavelmente já tenha presenciado situações nas quais um posto de trabalho fica inoperante, por horas ou até mesmo dias, até que um técnico vá ao local para realizar as correções necessárias. Sabe também que isso, normalmente, significa um aumento de custos com substituição de peças e atualização de softwares e sistemas operacionais.

Uma das vantagens do nosso sistema é que o dispositivo do cliente torna-se apenas um intermediário de armazenamento entre a contabilidade e o aplicativo de gestão, simplificando as exigências tecnológicas requeridas.

Em outras palavras, esse modelo não exige computadores complexos para o seu funcionamento e nem mesmo utiliza grande capacidade de processamento para realizar suas operações. Isso aumenta a vida útil dos computadores e evita custos que seriam necessários para manutenção das máquinas.

Diante de qualquer dificuldade que possa surgir, com um sistema de contabilidade online os clientes dispõem de contadores e equipes completas de profissionais da tecnologia da informação que estão aptos a resolver os problemas que impeçam a boa realização dos trabalhos. Isso tudo pode ser feito de forma rápida e prática, com o auxílio do suporte online.

3. Garantia no armazenamento de documentos importantes

Atualmente, os riscos de ataques cibernéticos às organizações têm aumentado a cada dia. Recentemente, um ataque hacker de proporções inéditas prejudicou grandes e pequenas empresas em mais de 150 países, causando milhões de dólares em prejuízo.

Dessa forma, utilizar um software antivírus não parece mais ser suficiente para proteger a informação estratégica das corporações, especialmente aquelas que não dispõem da tecnologia como atividade principal de suas operações.

A utilização de um escritório contábil online contribui imensamente para proteger as informações corporativas. Nesse sistema, a transmissão dos arquivos ocorre praticamente em tempo real, de tal forma que todos os documentos, relatórios e notas fiscais estão assegurados até mesmo diante de uma simples queda de energia no computador do cliente.

Além disso, uma vez que os escritórios online dedicam-se exclusivamente a administrar a informação financeira e contábil das empresas, firmam parcerias com empresas de tecnologia que estão capacitadas a oferecer as melhores soluções em segurança da informação.

Portanto, ao eliminar a existência de documentos físicos, suas informações e arquivos digitais estarão mais seguros em bancos de dados e servidores de armazenagem em nuvem, garantindo a proteção das informações financeiras e contábeis de sua empresa diante de instabilidades técnicas ou ataques cibernéticos.

4. Praticidade ao acessar informação relevante para tomada de decisão

Com um sistema de contabilidade online, você terá documentos e informações disponíveis 24 horas. Dessa forma, terá em mãos os dados mais recentes da sua empresa para tomar decisões, mantendo a competitividade de suas metas frente aos concorrentes e preparando o cenário para realização de investimentos.

Em posse dos relatórios consolidados, torna-se mais fácil e intuitivo tomar decisões estratégicas, por exemplo, contratação de mais mão de obra, reelaboração de processos, realização de campanhas promocionais e até mesmo adotar estratégias mais intensivas, como aumentar o investimento em publicidade a fim de ampliar a participação em novos mercados.

Além disso, você ainda poderá estimar qual será o valor pago aos funcionários em bonificações, participações de lucros e até mesmo projetar o percentual ideal para o pagamento do seu pró-labore.

Com base na perspectiva de alcance das metas estratégicas, os resultados enviados à plataforma digital servirão, permanentemente, como um termômetro que medirá o ritmo de produção das equipes de trabalho.

5. Possibilidade de estimar o pagamento de tributos

A plataforma digital permite que a contabilidade online tenha o melhor custo-benefício para empresários de pequeno e médio porte. Imagine só como seria fazer a estimativa do pagamento de impostos e tributos muito antes do fechamento do exercício?

Com isso, você poderá estimar com maior facilidade a sua margem de lucro, dispensando imprevistos que infelizmente impactam nas expectativas de muitos empresários desprevenidos.

Muitas vezes, pode-se notar que é viável até mesmo alterar a modalidade de tributação utilizada no negócio.

6. Praticidade na elaboração da escrituração contábil

Você vai até o contador com uma série de documentos, papéis e pastas. Na hora de organizar as entregas, é uma confusão sem tamanho.

Esqueça essa rotina e torne mais prática a escrituração contábil da sua empresa. Com a contabilidade online, os documentos são todos digitalizados e recebidos por meio de plataformas digitais.

7. Opção de arquivar documentos relevantes por tempo indeterminado

O Código Tributário Nacional exige que documentos contábeis sejam armazenados por, pelo menos, 5 anos. Outros dispositivos da legislação exigem que outros documentos de natureza financeiro-contábil sejam arquivados por 10 anos ou mais.

Com a contabilidade online você poderá armazenar os documentos da sua empresa por tempo indeterminado, evitando imprevistos decorrentes da aplicação das multas do fisco.

Acha que economizar tempo pode ser um grande benefício na correria da sua rotina? Faça uma simulação e saiba quanto você economizaria tendo o ContaÁgil como seu serviço de contabilidade. Venha ser nosso cliente!

Entenda de uma vez por todas como registrar uma empresa

Você decidiu empreender e ser dono do seu próprio negócio, ou talvez sua empresa até já esteja funcionando na informalidade, e agora você está na dúvida sobre como fazer o registro?

A burocracia no Brasil é grande e as etapas são muitas, mas nós podemos lhe ajudar. Com este guia você vai aprender tudo o que precisa sobre como registrar uma empresa. Vamos começar falando das vantagens do registro e depois passamos para o manual de instruções, combinado? Boa leitura!

Qual a importância de fazer o registro da empresa?

Há quem pense ser vantajoso deixar a empresa operar na informalidade, ao menos por um certo período, na tentativa de evitar o pagamento de impostos e adiar o gasto de tempo e dinheiro com a burocracia. No entanto, essa não é uma boa ideia!

Uma empresa informal está exposta a processos fiscais e trabalhistas. Além do risco de pagar multas, a informalidade é um obstáculo ao crescimento. Sem o registro, sua empresa não pode emitir nota fiscal, ter uma conta bancária registrada no CNPJ, obter empréstimos, contratar funcionários com carteira assinada ou fechar contratos com clientes.

Por isso, se você ainda está pensando em abrir um negócio, lembre-se de fazer o registro o quanto antes.

Como registrar uma empresa: passo a passo

O registro de uma empresa no Brasil envolve muitos processos, podendo levar alguns dias e até vários meses para que tudo seja resolvido. Para lhe ajudar, vamos resumir a seguir as etapas mais importantes.

1. Contrate uma empresa de contabilidade

A menos que sua empresa ainda seja MEI, a lei obriga a contratação de um contador ou serviço de contabilidade. Mesmo que não fosse obrigatório, essa deveria ser sua primeira etapa de qualquer forma.

Um bom contador fornece orientações que ajudam a empresa a crescer e evitar problemas. Ele poderá, por exemplo, avaliar o seu negócio, indicando qual regime tributário deve ser adotado para a sua empresa pagar menos impostos.

Também pode dar dicas sobre isenções fiscais oferecidas em certa cidade, região ou segmento. Para poupar tempo, a contabilidade online é uma ótima opção!

2. Estruture o contrato social da empresa

O contrato social é a alma jurídica da empresa. É um documento de grande importância, e também exigido em situações burocráticas corriqueiras. Por exemplo, para que a conta de luz seja emitida em nome da organização, a companhia de eletricidade vai exigir uma cópia do contrato social.

O contrato social inclui o objetivo do negócio e as atividades que ela vai exercer. É possível que seu advogado ou contador lhe oriente a incluir atividades que não são realizadas ainda, mas que você pretende investir no futuro para não precisar alterar o texto depois. Lembrando que as micro e pequenas empresas são legalmente dispensadas da assinatura de um advogado no contrato social.

No documento devem constar a participação de cada sócio e a composição de suas cotas. Se um dos sócios for também o administrador, o texto deve especificar o pró-labore, ou seja, a remuneração desse sócio.

O pró-labore não tem as mesmas regras rígidas do salário e pode não incluir benefícios, como férias e 13º, por exemplo. Mas é importante que o valor seja mais alto do que o salário de um funcionário para não despertar suspeitas sobre sonegação.

3. Faça o registro na junta comercial

Se o contrato social é a alma, o registro na junta comercial é como se fosse a certidão de nascimento da sua empresa. A partir do registro na junta, a empresa passa a existir oficialmente. Normalmente essa etapa exige documentos pessoais dos sócios e o contrato social. Daí a importância de seguir esses passos na ordem!

A Junta Comercial vai fornecer o Número de Identificação do Registro de Empresas (NIRE), com o qual pode ser obtido o famoso CNPJ.

4. Solicite o Cartão CNPJ

A boa notícia é que esta etapa é feita inteiramente online. Por meio de um programa da Receita Federal, o administrador insere o NIRE da Junta Comercial e pede o cartão com o número do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), que é o CPF das empresas.

O Cartão CNPJ inclui as principais atividades da empresa, conforme constam no contrato social — essa classificação serve para definir a tributação. O governo mantém uma grande lista chamada Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) que atribui as alíquotas para os diferentes setores da economia.

5. Verifique a necessidade de Inscrição Estadual

Conforme a legislação do estado onde atua sua empresa e o setor de atividade, poderá ser preciso ou não fazer a Inscrição Estadual. Em geral, as empresas de serviços são isentas enquanto para comércio e indústria ela é obrigatória.

A Inscrição Estadual é usada para recolher o ICMS, que é a principal fonte de arrecadação dos governos estaduais. Ou seja: é daqui que sai o dinheiro para pagar as estradas, as escolas estaduais e o funcionamento da polícia.

6. Providencie o alvará de funcionamento

Esta etapa é com a prefeitura da cidade onde a empresa vai atuar. Em algumas legislações municipais, basta levar o Cartão CNPJ na Secretaria Municipal da Fazenda ou órgão equivalente.

7. Realize o cadastro na Previdência Social

Além do cadastro na Receita, falta o registro em mais um órgão federal: a Previdência Social. Mesmo que a empresa não tenha funcionários por enquanto, é preciso cumprir essa etapa.

Isso assegura que ela vai assumir obrigações trabalhistas e tributárias com a Previdência e evitar dores de cabeça no futuro.

Como registrar uma empresa vai ajudar nos seus negócios

Ter uma empresa registrada oferece enormes vantagens e impede problemas com o fisco e com a Justiça. Além disso, permite contratar funcionários com carteira assinada, evitando ações trabalhistas no futuro. E, claro, é pré-requisito para que seu negócio possa crescer, dando acesso a linhas de crédito, emissão de notas fiscais e a possibilidade de fechar contratos.

Esperamos que este artigo tenha sido útil para tirar suas dúvidas sobre como registrar uma empresa. Agora que você está pronto para começar, entre em contato com a ContaÁgil e comece a mudar o futuro do seu negócio com a contabilidade online.

Investidor Anjo: mais uma possibilidade com as mudanças do Simples Nacional.

O Investidor Anjo costuma ser um empreendedor ou executivo que já trilhou uma carreira de sucesso e tem recursos suficientes para alocar uma parte do seu patrimônio para investir em novas empresas, bem como aplicar sua experiência apoiando iniciativas inovadoras. Essa figura é bem conhecida para os que fazem e acompanham o universo de startup (das americanas, principalmente).

Sem a possibilidade oportunizada pela mudança do Simples Nacional, as empresas sofriam com um sócio investidor, que junto com o dinheiro, normalmente traziam junto um desenquadramento da empresa no Simples Nacional. Com essas mudanças, tudo fica mais fácil.

VANTAGENS PARA A MICRO OU PEQUENA EMPRESA

A motivação da oficialização do investidor anjo é justamente para incentivar a inovação e os investimentos nas microempresas e empresas de pequeno porte. Agora, essas empresas enquadradas no Simples Nacional podem receber aporte de um investidor anjo, cujo valor não integrará o capital social da empresa (e portanto, não terá risco de sair do enquadramento do Simples). Como contrapartida, a empresa e o investidor deverão firmar um contrato que não poderá ser superior a 7 anos.

Outros destaques importantes são:

– o investimento poderá ser feito por uma pessoa física ou jurídica. Portanto, é possível receber dinheiro de fundos de investimento, por exemplo.

– o investidor anjo não poderá, em hipótese alguma, exercer atividades na empresa investida. O trabalho só pode ser realizado pelos sócios regulares.

Em linhas gerais, esses são os benefícios para a empresas com essas alterações. Mas o investidor também têm uma séries de vantagens, o que incentiva e estimula ainda mais esse tipo de aporte financeiro.

VANTAGENS PARA O INVESTIDOR

Como o investidor não tem envolvimento prático com a empresa e nem direito a voto, ele também não vai responder pelas dívidas da empresa, nem mesmo em caso de falência.

Em relação aos valores de remuneração, o investidor anjo será remunerado pelos seus aportes, de acordo com o contrato estabelecido entre as duas partes, pelo prazo máximo de 5 anos.

No fim de cada período fiscal, o investidor terá direito a participação na distribuição dos lucros, também conforme o que foi estabelecido em contrato, sendo que esse valor nunca poderá ultrapassar 50% dos lucros totais da empresa.

Para resgatar os valores investidos, será necessário esperar pelo menos dois anos, com direito ao valor investido + correção , também conforme contrato de participação.

Essas mudanças vieram para facilitar a negociação de empresas pequenas (e muitas vezes completamente inovadoras) com empresários que possuem capital disponível para esse tipo de investimento.

A grande vantagem, como já citamos anteriormente, é que como o valor não será integralizado ao capital da empresa, ela poderá continuar utilizando o sistema tributário Simples Nacional sem nenhum prejuízo.

Porém, como também destacamos ao longo do texto, vários detalhes e acertos só ficarão claros no contrato de participação executado pelas duas partes. Por isso é fundamental que você tenha uma equipe de confiança, garantindo a segurança da sua empresa e da sua relação com o investidor.

Se tiver dúvidas quanto aos procedimentos necessários, a equipe da Conta Ágil está à disposição para esclarecer e auxiliar nos processos. Entre em contato com a gente.

Saiba o que muda no Simples Nacional em 2018

Para o ano que vem, teremos uma série de mudanças previstas para o Simples Nacional, que entrarão em vigor a partir do dia 1º de janeiro de 2018.
São mudanças como alterações nos valores limites para fazer parte do modelo e a criação de uma faixa de transição para sair do Simples e entrar em outra tributação. Essas mudanças vieram para corrigir um empecilho de crescimento das microempresas e empresas de pequeno porte, que não tinham um regime transitório.
Foram estabelecidas regras de transição para a empresa que em 2017 faturar mais de R$ 3,6 milhões até R$ 4,8 milhões. Ela poderá continuar no regime Simples Nacional em 2018, mas com algumas condições especiais e impedida de recolher o ICMS e o ISS.
Maior receita bruta
Uma das grandes mudanças é o aumento do limite de faturamento. A partir de 2018, o teto de faturamento para o Simples Nacional aumentará para até R$4,8 milhões por ano. Mas, como falamos acima, com uma ressalva. Quando o faturamento for maior do que R$3,6 milhões nos últimos 12 meses, ICMS e ISS serão cobrados em separado, com todas as obrigações acessórias de uma empresa normal.
Novas alíquotas
Além do aumento do faturamento, também temos mudanças nas alíquotas de impostos. Ela permanece a mesma nos anexos de comércio e indústria, e também nos de serviço III e IV.
Todas as atividades do SN terão alíquota progressiva quando o faturamento ultrapassar R$180 mil no acumulado dos últimos 12 meses.
E o que melhora com isso? Teremos uma cobrança mais justa, já que a alíquota será proporcional ao faturamento acumulado. Até agora, empresas com faturamentos acumulado diferentes, mas mesmo faturamento no mês, pagariam a mesma coisa. A partir de agora, o acumulado será levado em conta. Portanto, dependendo da sua movimentação, a tributação do seu negócio poderá ser diferente de um mês para o outro.
Folha de pagamento
No Novo Simples Nacional, teremos uma nova relação entre folha de pagamento e faturamento, ambos relativos aos últimos 12 meses, assim como a alíquota. A partir de 2018, se a folha de pagamento for maior ou igual a 28% do faturamento, sua empresa será tributada no novo anexo III. Mas se esse valor for menor do que 28%, você estará classificado no novo anexo V.
Receita bruta na exportação
Exportação, licitações e outras atividades relacionadas a importação e exportação, as empresas de logística internacional que forem contratadas por empresas do Simples Nacional estão autorizadas a realizar suas atividades de forma simplificada e por meio eletrônico, o que impactará diretamente nos custos do serviço aduaneiro.
Novas atividades
A partir de 2018, micro e pequenos produtores e atacadistas de bebidas alcoólicas (cervejarias, vinícolas, licores e destilarias) também poderão fazer parte do Simples Nacional. A única condição é estar inscrito no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Um grande benefício para os empreendedores desses ramos.
Maior fiscalização
O novo Simples autoriza e integra a troca de informações entre a Fazenda Pública da União (Receita Federal) e a dos Estados (Receita Estadual) e Municípios (Prefeituras e DF). Isso fará com que as fiscalizações sejam mais rápidas e práticas.
Portanto, nossa dica é que você fique atento e mantenha sempre tudo em dia. Oriente bem sua equipe para que as operações na conta corrente da empresa e as vendas feitas pelos cartões de crédito, por exemplo, sejam bem controladas.
Agora que você já sabe tudo sobre as novas mudanças no Simples Nacional para 2018, fique atento e converse com seu contador. Informe-se como sua empresa será afetada pelas novas regras e tome as decisões estratégias da melhor forma possível. O Novo Simples poderá ajudar você a reduzir os gastos com alíquotas e impulsionar seu crescimento.
Ainda tem alguma dúvida? Entre em contato com a equipe da Conta Ágil. Nossos profissionais são altamente especializados e podem dar orientações certeiras sobre o seu posicionamento frente a essas mudanças.
O que é o Simples Nacional?
O Simples Nacional é um regime tributário simplificado para apuração e recolhimento de impostos voltado exclusivamente a micro e pequenas empresas. As regras desse formato têm condições vantajosas para negócios de pequeno porte.
A principal característica do Simples é o pagamento de todos os impostos em uma guia única mensal, chamada de DAS, o Documento de Arrecadação Simplificada. Esse formato, quando bem utilizado, pode trazer uma economia de até 40% da carga tributária para o empresário.
FONTES:
https://www.jornalcontabil.com.br/5-importantes-mudancas-no-simples-nacional-para-2018/
https://www.jornalcontabil.com.br/5-importantes-mudancas-no-simples-nacional-para-2018/
http://www.contabeis.com.br/noticias/35965/4-principais-mudancas-no-simples-nacional-para-2018/

Lucro Presumido ou Simples Nacional? Saiba qual é a melhor opção para a sua empresa.

Nessa época é normal (e recomendado) que você faça uma avaliação geral de como foi o ano fiscal da sua empresa e quais serão os próximos passos dados. É preciso planejar para saber qual objetivo atingir e onde chegar, não é mesmo?

E é nesse momento que muito empresários acabam ficando em dúvida na hora de saber qual é a melhor opção tributária para sua empresa. Isso acontece porque no Brasil o regime de tributação pode ser escolhido em dois momentos: no início do ano ou na abertura da empresa. Depois de escolhida, era será sua escolha durante todo o ano, sem opção de troca até o ano seguinte.

Nosso país é, atualmente, um dos que têm maior carga tributária na América Latina e no mundo e também considerado por grandes especialistas uma das legislações tributárias mais complexas do mundo.

É por isso que ressaltamos a necessidade do planejamento por parte do empreendedor. Para escolher o melhor caminho, você deve ter uma previsão do que vai acontecer com seu negócio no futuro.

SIMPLES NACIONAL

O Simples Nacional é um regime de opção facultativa compartilhado de arrecadação, cobrança e fiscalização de tributos aplicável às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, previsto na Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.

Ele abrange a participação de todos os entes federados (União, Estados, Distrito Federal e Municípios). Podem optar por esse regime todas as empresas autorizadas por lei com faturamento até R$ 3.600.000,00 (três milhões e seiscentos mil reais). A partir de 2018, esse limite passa a ser de R$ 4.800.000,00 (quatro milhões e oitocentos mil reais).

LUCRO PRESUMIDO

O Lucro Presumido é uma forma de tributação para determinação da base de cálculo do imposto de renda e da CSLL das pessoas jurídicas que não estiverem obrigadas, no ano-calendário, à apuração do lucro real.

A opção pelo regime de tributação com base no Lucro Presumido será manifestada com o pagamento da primeira ou única quota do imposto devido correspondente ao primeiro período de apuração de cada ano-calendário.

O cálculo leva em conta o Plano Brasil Maior e seus reflexos na contribuição previdenciária. Existem setores estão sujeitos a um percentual de contribuição menor que o Simples de acordo com sua receita bruta e folha de salários.

COMO ESCOLHER?

A grande vantagem do Simples Nacional é a economia de alguns tributos, e por isso torna-se tão atrativo para pequenas empresas. O primeiro passo é conferir a lista de atividades (http://www.portaltributario.com.br/legislacao/novatabelasimples.htm)  e analisar se o seu negócio se enquadra em uma delas e se o sua receita bruta anual fica dentro do previsto (R$ 4.800.000,00 a partir de 2018).

Embora o Simples tenha em sua lista uma série de serviços para profissionais liberais, as alíquotas para prestação de serviço podem ser muito elevadas, especialmente se você não tiver nenhum ou poucos funcionários.

Outro ponto importante do Simples Nacional é que as alíquotas são progressivas, portanto, algumas vezes podem acabar custando mais caro do que no regime de Lucro Presumido.

Para começar a pensar no modelo Lucro Presumido, você precisa saber se sua empresa se encaixa nesse modelo, tendo em vista que há restrições relativas ao objeto social e o faturamento.

A alíquota de cada tributo (15% ou 25% de IRPJ e 9% da CSLL) incide sobre as receitas com base em percentual de presunção variável (1,6% a 32% do faturamento, dependendo da atividade).

Ou seja, este percentual deriva da inferência de uma margem de lucro para cada atividade (daí a expressão Lucro Presumido) e é predeterminado pela legislação tributária.

E quando esse modelo pode trazer vantagem? Quando sua empresa tem margens de lucratividade maior do que a presumida, podendo, inclusive, servir como instrumento de planejamento tributário. Se a sua empresa possui uma boa margem de lucro, você deve olhar com mais atenção para o regime do Lucro Presumido.

Porém, as empresas que optam pela tributação do Lucro Presumido não podem utilizar créditos do PIS e da COFINS, pois já se beneficiam de tributações mais baixas.

OUTROS PONTOS IMPORTANTES

Além do que já falamos, temos também outros tópicos importantes: alíquota de impostos sobre atividades, INSS incidente sobre a folha de pagamento e obrigações acessórias.

– Alíquota

No Lucro Presumido, para um faturamento de até R$ 187.500,00 no trimestre, os tributos são compostos de 11,33% de impostos federais mais o ISS que varia de 2% a 5%,  totalizando 16,33% de alíquota máxima. Para saber o ISS do Lucro Presumido, você precisa ver a tabela ISS do seu município e verificar se existem exceções de alíquotas para a sua atividade.

O Simples Nacional utiliza uma alíquota de imposto variável (entre 4,5% a 19,5%) dependendo das atividades que você denomina no seu CNPJ. Portanto, dependendo da atividade, é importante comparar e verificar em qual dos dois regimes a sua alíquota é menor.

– INSS sobre a folha de pagamento

Se você avaliou e descobriu que a alíquota é mais baixa para a sua atividade no Simples, é hora de dar uma olhada na sua folha de pagamento. Se sua atividade estiver presente no anexo IV do Simples, elas vão ter um acréscimo de 20%.

No Lucro Presumido, você paga 20% de INSS sobre a Folha de Pagamento e isso algumas vezes pode deixar tudo mais caro e fazer a alíquota do Presumido não valer a pena. Faça os cálculos.

– Obrigações

A intenção do Simples Nacional é justamente reduzir a burocracia, com o recolhimento de vários impostos em uma só guia. Por isso é importante calcular quanto você gasta de tempo gerando guias diferentes e pagando separado. Isso também é importante para avaliar qual é a melhor opção para sua empresa.

QUER TIRAR A PROVA?

Depois de ler tudo sobre Lucro Presumido ou Simples Nacional, você pode utilizar uma ferramenta criada pelo Sebrae e pela FGV, uma calculadora que poderá fornecer uma estimativa dos impostos devidos com base nas informações fornecidas por você. Esse número pode ser tomado como referência, mas nunca tome uma grande decisão sem antes conversar com o seu contador.

Clique aqui e faça a simulação:

http://www.fgv.br/fgvtec/sebrae/simulador/index.aspx

FONTES:

http://www.portaltributario.com.br/noticias/lucroreal_presumido.htm

http://www.fgv.br/fgvtec/sebrae/simulador/index.aspx

https://blog.sage.com.br/simples-nacional-ou-lucro-presumido/